30/06/2018

Em ano de eleições, polarização abre espaço para notícias falsas nas redes sociais

Mesa discute sistemas de proliferação de fake news

Por Samara Najjar
Leonardo Sakamoto(Repórter Brasil) e Pablo Ortellado(USP) conduziram painel sobre redes sociais nas eleições. Foto: Alice Vergueiro
Ambientes ultrapolarizados permitem a disseminação de notícias falsas. No período pré-eleitoral, a divulgação desse tipo de conteúdo se torna mais assídua em vias da possibilidade de descreditar a oposição e angariar votos.

Apoio à agência cresceu após fenômeno Trump, afirma editor-chefe da ProPublica

Stephen Engelberg defende que a colaboração é a chave para construir o jornalismo do futuro

Por Daniela Arcanjo
Stephen Engelberg, editor-chefe da ProPublica comandou o principal painel do último dia de congresso. Foto: Alice Vergueiro 
O editor-chefe de uma das mais respeitadas e inovadoras agências de jornalismo investigativo dos Estados Unidos encerrou o 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji. Stephen Engelberg foi o entrevistado da mesa “A colaboração é o futuro do jornalismo”, que ocorreu este sábado e foi mediada pelos jornalistas Guilherme Amado, do ‘O Globo’, e Rosental Calmon Alves, do Knight Center.

Projeto independente é referência para inovar nas redações

Jornalista mostra como sair do senso comum sem perder a essência da reportagem


Por Natalia de Souza

 Adriana Garcia adota o design thinking como forma de repensar práticas. (Foto: Alice Vergueiro)
Desde 2006 o jornalismo vive uma crise em seu modelo de negócio que surgiu nos EUA e se espalhou ao redor do mundo, inclusive no Brasil, a partir de 2008. As redações estão cada vez mais enxutas e muitos jornalistas vem perdendo o gosto pelo seu fazer na prática.

Automação no jornalismo auxilia na construção de pautas

Jornalistas compartilham suas experiências com o uso de robôs no dia a dia

Por Ruam Oliveira e Ana Paula Bimbati

Tai Nalon(Aos Fatos) compôs a mesa ao lado de Laura Diniz(Jota). Foto: Alice Vergueiro
Fruto da demanda da própria redação, o Rui Barbot, robô criado pela equipe do JOTA, tem uma função bem específica: ele alerta quando um processo no Supremo Tribunal Federal (STF) fica parado por mais de 1 ano sem qualquer decisão do ministro responsável. Com o aviso, os jornalistas conseguem pensar em pautas e construir a notícia.

Recursos visuais aprimoram o jornalismo

Utilizar infográficos com seriedade e outros elementos de arte deixam o conteúdo mais agradável e atraente ao leitor


Por Aline Barbosa
Rubens Paiva (O Globo) em painel sobre recursos visuais para o jornalismo. Foto: Alice Vergueiro.

Contrários à ideia de que o profissional deve contar a notícia somente através do texto, Rubens Paiva, editor de arte do O Globo, Carlos Lemos, líder do time de desenvolvedores do Globoesporte.com, e Thea Severino, editora do núcleo de imagem da Folha de S.Paulo, apresentaram, em painel, d
o 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, exemplos de trabalhos especiais que estimulam o uso de infográficos e diagramações criativas para complementar o texto.Mais do que escrever, o repórter deve pensar nas múltiplas plataformas disponíveis para fazer de seu conteúdo produzido um ambiente interativo ao público. 

Treinamento reforça importância de assistência e preparo de redações para lidar com riscos


Jason Reich apresenta práticas de segurança acessíveis voltadas para proteção de jornalistas

Por Saara Paiva

Reich cobrou a aplicação de medidas de segurança para proteger jornalistas. (Foto: Alice Vergueiro)
A segurança de jornalistas, tanto na internet quanto em campo, foi o tema do treinamento “Como tornar sua redação mais segura”, no 13º Congresso de Jornalismo Investigativo. Durante o evento, Jason Reich, diretor Global de Segurança do Buzzfeed, apresentou técnicas e ferramentas que ajudam os profissionais a se preservarem durante o trabalho, sejam eles freelancers ou funcionários de redações.

Assédios e abusos contra mulheres ainda prevalecem em redações, aponta pesquisa

Estudo indica que 70% das jornalistas já foram assediadas no ambiente de trabalho

Por Luana Nunes e Wallace Leray

Natália Mazotte, da Open Knowledge, Maiá Menezes, do O Globo, e Marta Gleich, do Zero Hora, em painel sobre mulheres no jornalismo brasileiro. Foto: Alice Vergueiro.
De acordo com a pesquisa “Mulheres no jornalismo brasileiro”, desenvolvida pela instituição Gênero e Número em parceria com a Abraji e com o Google News Lab, 70% das jornalistas mulheres já foram assediadas no exercício da profissão ou presenciaram uma colega sendo cantada no ambiente de trabalho.

Acontece… Erros jornalísticos e seus aprendizados

Jornalistas consagrados destacam erros de trajetória como pontos positivos em suas carreiras

Por Keyty Medeiros
Álvaro Costa e Silva (Folha de S. Paulo). Foto: Alice Vergueiro

No início dos anos 80 um avanço científico inédito causou alvoroço na redação da Revista Veja em São Paulo. A publicação divulgou uma pesquisa alemã envolvendo a suposta fusão genética entre células de boi e de um tomate, que resultava em um híbrido de sabor e nome duvidoso: o boimate.

É um erro achar que a cobertura da Lava Jato foi só vazamento seletivo, aponta jornalista

Repórteres discutiram erros e acertos da imprensa após quatro anos da operação

Por Jeniffer Mendonça
Thiago Prado(O Globo), Andreza Matais(Estadão) e Rubens Valente(Folha) avaliaram que os quatro anos de Lava Jato trouxeram maturidade aos jornalistas. (Foto:Alice Vergueiro)
A imprensa passou a lidar com um volume intenso de informações diárias via fontes oficiais há quatro anos, desde que a primeira fase da Operação Lava Jato foi deflagrada. Para a editora da coluna do Estadão em Brasília, Andreza Matais, os veículos não conseguiram ter um olhar crítico no começo porque “a gente se deparou com a história na nossa frente, uma operação avassaladora, a primeira da era digital e a maior do mundo”.


13º Congresso da Abraji e 40 anos de Oboré: 2018 consolida parceria duradoura


Pelo nono ano consecutivo, estudantes do Repórter do Futuro fazem a cobertura oficial do evento com apoio da coordenação pedagógica e diretores da entidade

Por Carolina Moraes
Cristina Zahar(Abraji) e Sérgio Gomes(Oboré) organizaram a cobertura em tempo real. Foto: João Paulo Brito
O 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo marca mais um ano de parceria entre Abraji e Oboré. Pela primeira vez, a organização de comunicação popular tem um stand no piso térreo e, pelo nono ano consecutivo, a cobertura jornalística do evento é realizada pela Redação-Laboratório do projeto.

Ferramentas facilitam coleta e leitura de dados públicos

Plataformas cruzam informações e auxiliam na interpretação de dados complexos para reportagens

Por Dominique Tuane
Haydee Svab(ASK-AR) conduziu o painel ao lado de Leonardo Medeiros(Conectas), Otávio de Castro Neves(Portal Transparência) e Claudio Abramo(Transparência Brasil) l Foto: Alice Vergueiro
O sistema carcerário é uma das principais fontes de violação dos Direitos Humanos no Brasil. Foi com esse alerta que o jornalista Leonardo Medeiros, da ONG Conectas, abriu a mesa “Dados públicos à mão: ferramentas online para jornalistas”, que aconteceu na manhã deste sábado, 30, durante o 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Jornalista ensina a usar dados públicos na cobertura do setor empresarial

Ferramentas e sites podem ser úteis na hora de investigar grandes corporações

Por Natália Novais
Fernando Torres explicou o funcionamento de alguns tipos de empresas. (Foto: Alice Vergueiro)
Empresas de capital aberto são obrigadas por lei a divulgarem dados e balanços financeiros para o acesso público. No entanto, nem sempre é fácil encontrar essas informações e entender o que elas significam. Foi para desmitificar esse problema que o jornalista do Valor Econômico Fernando Torres, ensinou caminhos e práticas na oficina "Como usar dados públicos para investigar empresas" no terceiro dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.


Dados de interesse público devem estar ao alcance de todos

Jornalista aponta ferramentas de busca para consultas e uso em investigações

Por Natalia de Souza


Flávio Ferreira ministrou a mesa "Como investigar patrimônios de pessoas públicas?". (Foto: Alice Vergueiro)
As ferramentas de consulta a dados públicos têm um grande potencial que deve ser explorado pelos jornalistas, principalmente em investigações. O repórter Flávio Ferreira, do jornal ‘Folha de S.Paulo’, sugere opções para explorar essas informações em reportagens.

Jornalismo local preenche lacunas de cobertura da grande mídia

Redes sociais têm sido usadas como ferramentas para levar notícias a pequenas cidades e comunidades

por Luana Nunes

Angela Pimenta(Projor) moderou mesa sobre importância das redes sociais para o jornalismo local. Foto: Alice Vergueiro.
No terceiro dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, a "Roda de conversa: desafios do jornalismo local" reuniu profissionais que dedicam a esse tipo de cobertura. O editor-chefe da Agência Mural de Jornalismo das Periferias, Paulo Talarico, afirmou que matérias feitas por repórteres do veículo ajudaram a solucionar problemas de responsabilidade do poder público. Lilia Camargo, da TV Rio Branco, filial do SBT no Acre, e João Henrique da Silva, da página 'Caruaru no Face', falaram da importância das redes sociais para o jornalismo local.


“Juntar números e histórias é o que faz o jornalismo incrivelmente poderoso”, afirma repórter americana

Marisa Kwiatkowski, repórter que denunciou casos de abuso na ginástica, participou do terceiro dia de congresso da Abraji

por Daniela Arcanjo

Marisa Kwiatkowski, repórter da Indianopolis Star, fala sobre o caso de abusos sexuais contra atletas da seleção olímpica americana | Foto: Alice Vergueiro.
O terceiro dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo investigativo contou com a premiada jornalista americana Marisa Kwiatkowski, do jornal Indianapolis Star. A repórter apresentou a investigação de abusos sexuais contra ginastas nos Estados Unidos, que revelou 368 casos e resultou na condenação de Larry Nassar, ex-médico da seleção olímpica. A mesa foi mediada pela jornalista esportiva Gabriela Moreira, da ESPN.

Busca por boas histórias é a intersecção entre jornalismo e documentário

Profissionais falam sobre o crescente protagonismo do audiovisual nas redações

por Aline Barbosa

Fabíola Aquino, Bruno Wendel, Daniel Brunet e Vinicius Sassine falam sobre a intersecção entre jornalismo e documentário. Foto: Alice Vergueiro.
Jornalistas estão procurando outros meios para produzir reportagens para além do impresso. O painel "Jornalismo e Documentário: Intersecções" discutiu o crescente protagonismo do audiovisual na manhã deste sábado, 30, no 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo. Sob mediação de Angelina Nunes, do Conselho Curador da Abraji, estiveram presentes também Fabíola Aquino, cineasta e jornalista, Bruno Wendel, repórter do 'Correio da Bahia', Vinicius Sassine e Daniel Brunet, ambos d'O Globo'.

Paixão é essencial para a prática do jornalismo, afirmam mentores

Responsáveis por programas de treinamento e mentoria destacam que apenas domínio técnico é insuficiente para exercício da profissão

por Ruam Oliveira


Carla Miranda (Estadão) e Breno Costa (Brio Hunter) em painel sobre treinamento e mentoria de jovens jornalistas. Foto: Alice Vergueiro.
Para formar um bom jornalista é necessário mais que a prática, é preciso também paixão pelo que se faz, apontaram Breno Costa, do Brio Hunter e Carla Miranda, coordenadora de cursos no Estadão, durante painel esta manhã no 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji, que ocorre em São Paulo até este sábado, 30. 


Para além dos conflitos: os motivos dos deslocamentos forçados

Projeto “Um Mundo de Muros” retratou pessoas segregadas por barreiras

Por Samara Najjar

Lalo de Almeida e Patrícia Campos Mello, ambos da Folha de S.Paulo, falando sobre cobertura internacional. Foto: Alice Vergueiro.
Nos últimos anos, os fluxos imigratórios no mundo aumentaram de maneira exponencial e com isso, a presença de refugiados e migrantes passou a ser vista como um problema.

Como consequência, a construção de muros foi multiplicada no planeta. Na mesa de abertura do último dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, a repórter Patrícia Campos Mello e o fotojornalista Lalo de Almeida, ambos da Folha de S. Paulo, mostraram por meio da série multimídia “Um Mundo de Muros” que não há apenas refugiados de guerra, existem vítimas de disputas territoriais, fenômenos socioeconômicos, climáticos, culturais e da violência urbana.


29/06/2018

Crianças dos EUA são tão segregadas quanto em 1972, afirma jornalista do NY Times

Nikole Hannah-Jones falou sobre trajetória profissional e criticou a falta de diversidade nas redações

Por Daniela Arcanjo


Nikole Hannah-Jones (NYT) e Marcelo Moreira (TV Globo) debateram no principal painel do dia. Foto: Alice Vergueiro
O encerramento do segundo dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo teve a participação Nikole Hannah Jones, jornalista investigativa da ‘New York Times Magazine’, que foi a entrevistada da mesa “Cobrindo gênero e raça: o que podemos aprender com o NYTimes”. O encontro contou com a mediação de Marcelo Moreira, conselheiro da Abraji e jornalista da TV Globo.

Recém-formados apresentam trabalhos premiados no Congresso

Temática social orienta a produção de TCC’s inscritos em número recorde nessa edição

Por Maria Vitória Ramos


João Pedro Martins, um dos recém-formados premiados pela Abraji. Foto: Alice Vergueiro. 
Jovens de todo o país apresentaram seus Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) de jornalismo durante o painel ‘Mostre e Conte’, apresentado no segundo dia do 13° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Como evitar clichês na cobertura de políticas de drogas

Harumi Visconti e Júlio Delmanto defendem que tema vai muito além de segurança e saúde pública

Por Bianca Ribeiro


Júlio Delmanto e Harumi Visconti (PBPD) conduziram o painel. Foto: Alice Vergueiro.
Guerra às drogas, descriminalização da maconha, internações compulsórias, cracolândias. Esses são alguns dos assuntos que integram o universo das políticas de drogas - e suas consequências - e, vez ou outra, ganham espaço no noticiário brasileiro.

Jornalismo multidisciplinar traz novas perspectivas para o engajamento virtual

Em mesa com duas grandes reportagens sobre jornalismo de dados, editoras mostram que equipe diversa ajuda em bons resultados

Por Hanna Oliveira



Ana Magalhães (Repórter Brasil) e Katia Brembatti (Gazeta do Povo) conduziram a mesa. Foto: Alice Vergueiro.
Ruralômetro’ é um termômetro virtual que demonstra a ‘febre’ de deputados Federais que votaram em projetos ruralistas com impactos ambientais negativos. A ferramenta infográfica foi construída em uma reportagem liderada pela jornalista Ana Magalhães da ONG Repórter Brasil, em janeiro desse ano. Cerca de 80 veículos e sites repercutiram a produção, com mais de 50 mil acessos nos dois primeiros meses de publicação.

Debate propõe medidas de proteção contra assédio virtual a jornalistas

Profissionais de comunicação destacam prevenção e apoio de veículos na cobertura de ataques pela internet

Por Natália Mota


Jason Reich(BuzzFeed), Thais Nunes(SBT) e Janaina Garcia(UOL). Foto: Alice Vergueiro.
O assédio virtual contra jornalistas é um ataque com alvo claro - intimidar e impedir a publicação de conteúdos indesejados. O diretor de segurança global do BuzzFeed Jason Reich alerta para alguns cuidados que podem ser tomados tanto para aumentar sua segurança nas redes, quanto para agir em um possível caso de assédio na internet.

Zuenir Ventura: A melhor qualidade do repórter é a curiosidade

"Tenho aprendido muito com vocês dessa nova geração”

Por Carolina Moraes
Mestre Zuenir Ventura contou histórias da carreira e opinou sobre o jornalismo contemporâneo l Foto: Alice Vergueiro
Mesmo indicando que “é difícil devolver aos jovens o clima daqueles tempos”, Zuenir Ventura conseguiu remontar os vários ambientes em que circulou para fazer algumas de suas grandes reportagens. Em conversa com Cláudia Laitano, do jornal ‘Zero Hora’, e Andreia Sadi, da Globo News, o jornalista contou os bastidores de trabalhos como o caso Chico Mendes, no 'Jornal do Brasil', a produção “Cidade Partida”, sobre Vigário Geral, e entrevistas com figuras como Fidel Castro, Glauber Rocha e Carlos Drummond de Andrade.

Consórcios internacionais defendem colaboração entre jornalistas no caso Lava Jato

Profissionais de comunicação de veículos distintos da América Latina se uniram para apurar informações sobre a operação

Por Aline Barbosa e Dominique Tuane


Joseph Poliszuk (Armando.info), Milagros Salazar (Convoca) e Flávio Ferreira (Folha) formaram o painel mediado por Guilherme Amado (O Globo). Foto: Alice Vergueiro.
O surgimento de consórcios internacionais de jornalistas contribui para o desenvolvimento de investigações envolvendo a chamada operação Lava Jato. Esse foi o tema da palestra que ocorreu na tarde desta sexta-feira, 29, no 13º Congresso de Jornalismo Investigativo. A mesa "Do Brasil para o mundo: a cobertura transnacional da Lava Jato" foi mediada pelo jornalista Guilherme Amado, do jornal 'O Globo' e do JSK Stanford, e contou com profissionais de dois programas criados com essa finalidade: “O Investiga Lava Jato” e o "Lava Jato En Latinoamerica".


O acaso pode ser o começo de uma boa reportagem, mas nem sempre

O que a história de Waldirene Nogueira e o perfil de Ricardo Corrêa, o fofão da Augusta, têm em comum?

Por Luana Nunes e Ruam Oliveira
Amanda Rossi(BBC), Chico Felitti(freelance) e Carla Jimenez(El Pais) formaram a mesa
Se Amanda Rossi, repórter da BBC Brasil, e o jornalista Chico Felitti esperassem apenas pelo acaso para escrever as histórias que se tornaram famosas, elas não existiriam. Para ambos a insistência foi crucial para a realização das matérias.

Gestão profissional pode ajudar a viabilizar novas iniciativas

Startups de comunicação vivem desafios financeiros e de equipe, mas o trabalho compensa

Por Carolina Marcheti
Carolina Oms(AzMina), Giulliana Bianconi(Gênero e Número), Sérgio Spagnuolo(Volt Data Lab/Abraji) e Pedro Doria(Meio) formaram o painel. Foto: Alice Vergueiro
Entre os desafios de fazer jornalismo de qualidade estão a remuneração e o próprio mercado de trabalho, em crise há muitos anos. Iniciativas de comunicação têm nadado contra a corrente buscando formas de sustentar seus conteúdos e reportagens.

Jornalistas de redes sociais dão dicas para aumentar alcance e engajamento

Representantes de Twitter, Facebook e Youtube comentaram o uso de ferramentas de monitoramento de audiência nas redes

Por Aline Barbosa, Daniela Arcanjo, Tchérena Monteiro

Gustavo Poloni(Twitter), Maíra Carvalho(Facebook), Cauã Taborda(YouTube) e Moreno Cruz Osório(Farol Jornalismo) formaram a mesa que aconteceu no auditório do Congresso. Foto: Alice Vergueiro.
Bom conteúdo, inovação e conhecimento da plataforma. Esses são alguns dos conselhos dados por profissionais de mídias digitais para ampliar o alcance nas redes, durante palestra que aconteceu na manhã desta sexta-feira, 29, no 13º Congresso de Jornalismo Investigativo.

Jornais e revistas buscam repórteres com perfil multitarefa

As mudanças no ambiente de trabalho interferem na rotina do profissional de comunicação

Por Ruam Oliveira

Alan Gripp (O Globo), Marcelo Beraba (Abraji), Daniela Pinheiro (Época), Sérgio Dávila (Folha de S.Paulo) e Rosental Calmon Alves (Centro Knight para o Jornalismo nas Américas). Foto: Alice Vergueiro.
A integração entre plataformas não é a única transformação a que os diretores de redação precisam estar atentos. Passando por um período de mutação nos modos de fazer jornalismo, a figura do repórter também é diretamente impactada por todas estas mudanças. “O espírito multitarefa é o espírito do repórter moderno”, apontou Alan Gripp, diretor de redação do jornal O Globo, durante palestra no 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo da Abraji.


Uso do telefone em pesquisas eleitorais causa divergências entre especialistas

IBOPE e Datafolha defendem abordagem presencial, DataPoder discorda

Por Luana Nunes

Mauro Paulino(Datafolha) compôs a mesa, que também contou com Marcia Cavallari(IBOPE) e Fernando Rodrigues(Poder 360) l Foto: Alice Vergueiro.
Especialistas em pesquisas eleitorais divergem sobre o método utilizado para captar a intenção de voto da população. Marcia Cavallari, do IBOPE, e Mauro Paulino, do Instituto Datafolha, defenderam a realização de entrevistas pessoalmente. Já Fernando Rodrigues, do site Poder360, afirmou que o uso de telefone é tão eficaz quanto.


Critério e planejamento são elementos importantes para gerenciar produtos no jornalismo

Profissionais discutem estratégias e desafios do desenvolvimento de produtos

Por Natália Mota

Juam Torres(Jornal Correio), Daniel Tozzi(UOL) e Patricia Gomes(JOTA) comandaram a mesa l Foto: Alice Vergueiro
Administrar projetos jornalísticos exige conhecimento sobre o próprio conteúdo e trabalho em equipe. Um processo que envolve muito planejamento e estratégia, principalmente quando se trabalha com um determinado público. Para Juam Torres, do jornal Correio, e Patricia Gomes, do site jurídico JOTA, outro desafio é saber filtrar ideias e decisões durante a gestão de um projeto.

Abraji tem projetos para mapear retaliações jurídicas a jornalistas e obstáculos na Lei de Acesso à Informação

Ferramentas facilitam pesquisa sobre políticos, reúnem pedidos feitos por meio da LAI e processos judiciais contra jornalistas e público geral

Por Carolina Marcheti


Tiago Mali(Abraji) e Hugo Salustiano(Transparência Brasil) reforçam importância de ferramentas e bancos de dados na apuração jornalística l Foto: Alice Vergueiro
Nesta sexta-feira, 29, Tiago Mali, Coordenador de Projeto e Cursos da Abraji, e Hugo Salustiano, da Transparência Brasil, apresentaram dois projetos que tem por objetivo auxiliar profissionais da imprensa e o público geral a buscar e mensurar informações relativas a ações judiciais movidas por políticos, personalidades e organizações governamentais e privadas que se sentem difamadas por profissionais da imprensa. Há também uma terceira ferramenta que reúne pedidos feitos por meio da Lei de Acesso à Informação.

Editores defendem novos formatos, temas e equipes para o jornalismo investigativo

Diversidade e criatividade são essenciais para sair do lugar-comum da agenda investigativa

Por Hanna Oliveira e Dominique Tuane

Giampaolo Braga (Extra), Dione Kuhn (GDI) e Rodrigo Rangel (Crusoé) discutem novas possibilidades para o jornalismo investigativo durante o segundo dia de Congresso | Foto: Alice Vergueiro
Um ovo de galinha como narrador de uma matéria jornalística. Vindo do interior de São Paulo, ele percorreu as estradas paulistas até chegar nas mãos de um vendedor ambulante nos trens da Baixada Fluminense. Sem o cuidado e tempo necessário, esse poderia ser apenas um ensaio de alguma revista com foco em culinária, mas, na realidade, se trata de uma grande reportagem investigativa sobre o roubo de carga no estado do Rio de Janeiro.

Repórteres contam como transformar dados em histórias multimídia sobre segurança pública

Os responsáveis pelas reportagens “A Guerra do Brasil” e “A Tropa dos Confrontos” discutem os limites da apuração e edição das suas matérias

Por Bianca Ribeiro
Gabriel Cariello e Marco Grillo (O Globo), Igor Mello e Fábio Teixeira conduziram a palestra | Foto: Alice Vergueiro
Mais de 786 mil pessoas foram assassinadas, no Brasil, entre 2001 e 2015, segundo o Datasus. Mas o que esses dados querem dizer? Foi o que Gabriel Cariello e Marco Grillo, jornalistas de O Globo, buscaram mostrar com a reportagem A Guerra do Brasil, apresentada em palestra sobre segurança pública em dados e narrativas multimídia no segundo dia do 13° Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Dificuldade em conseguir informação é um dos desafios na cobertura de segurança pública

Repórteres relataram obstáculos na rotina jornalística e como tentam driblá-los no dia a dia

Por Ana Paula Bimbati
Luís Adorno, Maria Carolina Trevisan (UOL) e Anabela Paiva (Vozerio) formaram a mesa com mediação de Marcelo Godoy (Estadão) 
Imagine começar uma reportagem com deadline apertado, enviar um pedido de Lei de Acesso à Informação para conseguir dados essenciais para a produção da matéria, e recebê-los apenas 8 meses depois. Foi exatamente isso o que aconteceu com o repórter do UOL Luís Adorno, responsável pela cobertura de segurança pública do portal, quando escrevia sobre a morte de presos em São Paulo.

28/06/2018

Joseph Poliszuk relata as dificuldades de fazer jornalismo no ambiente caótico da Venezuela atual

Repórter compartilhou com o público a pressão e assédio que sofreu de setores governamentais e privados envolvidos em escândalos de corrupção

Por Dominique Tuane

Jornalista venezuelano Joseph Poliszuk, em palestra na quinta-feira dia 28 | Foto: Alice Vergueiro
A crise na Venezuela vem se deteriorando desde o governo Chavéz. A escassez de comida, remédios, itens básicos de higiene e grandes índices de inflação fez com que cerca de 1 milhão de pessoas deixassem o país entre 2014 e 2017, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas.

Zuenir Ventura: “Notícias falsas são o novo nome para os boatos”

Homenagem ao jornalista encerra primeiro dia do 13º Congresso de Jornalismo Investigativo

Por Ruam Oliveira
Mestre Zuenir Ventura foi homenageado na sessão que encerrou o primeiro dia de Congresso | Foto: Alice Vergueiro
Aos 87 anos, dono da cadeira de número 32 na Academia Brasileira de Letras, antes pertencente a Ariano Suassuna, o escritor e jornalista Zuenir Ventura é o homenageado do 13º Congresso de Jornalismo Investigativo em cerimônia realizada na tarde do primeiro dia do evento, 28, em São Paulo.

“Para ser lida, antes sua matéria precisa ser encontrada”, diz a jornalista Barbara Zamberlan

Entender de fato como funciona o Google é a saída para não deixar a audiência das redes sociais

Por Maria Vitória Ramos e Natália Mota
Barbara Zamberlan falou sobre estratégias digitais e mecânicas de busca e publicidade na internet | Foto: Alice Vergueiro
Desde que Mark Zuckerberg mudou o algoritmo do Facebook, veículos e personalidades da rede batalham desesperadamente para conseguir retomar, mesmo que frações, da audiência perdida. Durante o 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, na mesa “Como fazer seu conteúdo chegar ao público sem depender das redes sociais”, Barbara Zamberlan convoca os jornalistas: “parem de fazer a Gina!”.


Curso destaca a importância do uso de dados públicos na cobertura eleitoral

Para Claudio Weber Abramo, informações públicas são grandes aliadas nas buscas por pautas políticas e fiscalização eleitoral

Por Hanna Oliveira


Claudio Weber Abramo. Foto: Alice Vergueiro
Na tarde desta quinta-feira, 28, durante o 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo, Claudio Weber Abramo ministrou o curso ‘O uso de dados públicos na cobertura de eleições’. Durante quase 15 anos ele foi diretor-executivo da ONG TransparênciaBrasil, atualmente é vice-presidente do conselho deliberativo e continua ligado a projetos para divulgação de dados públicos.

Influência de grandes empresas na construção de políticas públicas

Com mediação de Alana Rizzo, jornalistas João Peres e Leonardo Cavalcanti falaram sobre a cobertura empresarial e a prática do lobby no Brasil

Por Bianca Ribeiro e Tchérena
Trio de veteranos debateu com o público a cobertura jornalística de empresas e a prática do lobby | Foto: Alice Vergueiro
A pressão de agentes privados, como empresas e organizações, pode interferir diretamente na criação, modificação ou extinção de uma política pública. É isso que afirmam os jornalistas João Peres e Leonardo Cavalcanti, veteranos na produção de reportagens sobre lobby.

Uso de jornalismo de dados em reportagens é destaque em grandes veículos de comunicação

Redações ainda carecem de jornalistas capacitados para utilizar a tecnologia

Por Pamela Vespoli


Fabio Takahashi (Folha), Bruno Paes Manso e Thiago Reis (G1) falaram sobre uso de dados | Foto: Alice Vergueiro
O jornalismo de dados é uma das mais novas e promissoras tecnologias para jornalistas, mas ainda são poucos os profissionais qualificados o bastante para desenvolver projetos na área.

Projeto reúne 24 veículos jornalísticos para combater a desinformação no Brasil

Após consolidar iniciativas semelhantes nos EUA e Europa, a pesquisadora Claire
Wardle deu uma prévia da versão brasileira, intitulada “Comprova” 

Por Carolina Moraes


Pesquisadora Claire Wardle quer consolidar projeto de cooperação jornalística no Brasil | Foto:Alice Vergueiro
Durante a corrida do pleito atual, políticos dialogam diretamente com os seus
possíveis eleitores, enquanto as notícias falsas viralizam nas redes sociais. Durante a mesa “Desinformação e a Internet: Desafios para o Futuro”, mediada pelo presidente da Abraji Daniel Bramatti, a diretora do Information Disorder Project e do First Draft, Claire Wardle, lançou um projeto à altura do desafio jornalístico nesse cenário. 

“O que nos une é o jornalismo, não o furo”, aponta jornalista Guilherme Amado

Colaboração transnacional é alternativa para criação de novos grupos de profissionais de comunicação

Por Maria Vitória Ramos

Guilherme Amado sugeriu mais cooperação e menos individualismo na busca por 'furos' | Foto: Alice Vergueiro
A publicação dos arquivos conhecidos como ‘Panama Papers’, e posteriormente dos ‘Paradise Papers’, por meio do Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) acordou os profissionais da área para uma nova era, na qual a lógica competitiva e da clássica corrida pelo ‘furo jornalístico’ está gradualmente sendo substituída pela dinâmica da cooperação. A reflexão foi feita pelo jornalista Guilherme Amado, durante a mesa “Jornalismo colaborativo transnacional: crie sua própria rede”, na manhã do primeiro dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

Influência das fake news é real, mas pode ser combatida

Jason Reifler defende checagem de afirmações enganosas de candidatos nas redes sociais e cobra responsabilidade por parte das autoridades

Por Caroline Oliveira

Jason Reifler, da Universidade de Exeter, fala sobre fake news e eleições. Foto: Alice Vergueiro.
A ampla repercussão das chamadas fake news (notícias falsas) nas eleições presidenciais dos Estados Unidos não permite aferir que o fenômeno influenciou o voto dos eleitores norte-americanos. A conclusão é de um estudo feito pelo cientista político Jason Reifler, da Universidade de Exeter, no Reino Unido.