28/06/2019

A realidade em diferentes formatos

Os jornalistas Vladimir Netto e Daniela Arbex apresentam obras jornalísticas adaptadas para o cinema


Por Gabriela Neves e Natalia de Souza

Daniela Arbex (Tribuna das Minas), Julia Duailibi (GloboNews) e Vladimir Netto (TV Globo)
Foto: Mariana Soares
Para escrever um bom texto jornalístico é preciso ouvir histórias, ouvir pessoas. É o que frisam os jornalistas Vladimir Netto e Daniela Arbex na palestra “Meu livro reportagem foi para tela”.  


Daniela Arbex conta que passou por um longo processo de apuração em seu livro Holocausto Brasileiro - que retrata a violência sofrida por pacientes do Hospital Colônia de Barbacena, chamado por ela de manicômio. "Logo que tive contato com as fotos das vítimas do hospital, fiquei extremamente impactada. Isso porque conheci as imagens 50 anos após a tragédia ", diz a jornalista.

Depois de conhecer o fotógrafo Luiz Alfredo, que é quem detinha todos os direitos pelas imagens, conseguiu chegar aos sobreviventes: Machadinho, Sônia, Cabo, Silvio e Débora Aparecida. E assim estruturou seu livro. 


Após seu lançamento da obra, a HBO entrou em contato com a autora e sugeriu transformá-lo em um documentário. O canal a convidou para fazer parte da produção do filme e acompanhar, de perto, todas as cenas com seu olhar. “Com a gravação do documentário eu tive oportunidade de conhecer lugares que as fotos não mostravam”, aponta Daniela.





O jornalista Vladimir Netto também transformou seu livro reportagem, Lava Jato, na série documentário ficcional, produzida pela Netflix, intitulada O Mecanismo. Vladimir também acompanhou as gravações, mas por se tratar de uma ficção, não se ateve por completo a todos os fatos presentes na obra original. 

Netto conta que a esposa de Marcelo Odebrecht, de forma arrogante, no momento da prisão do marido, tenta fazer um policial Federal de carregador de uma mala apreendida.  "Era ele [Marcelo] que deveria carregar”, teria dito o agente, conforme descrito no livro. 


Mesmo assim, Vladimir Netto se diz satisfeito com o resultado, uma vez que reconhece que foi uma adaptação livre sobre os fatos reais que descreveu no seu livro.


O 14º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo é uma realização da Abraji e da Universidade Anhembi Morumbi, com o patrocínio de Google News Initiative, Grupo Globo, Facebook Journalism Project, Itaú, UOL, Twitter, Estadão, Folha de S.Paulo, Poder 360, Crusoé e Aos Fatos; apoio de mídia de Correio (BA), CBN, Grupo RBS e SBT; e apoio institucional de Abert, ANJ, Aner, Comunique-se, Consulado dos Estados Unidos, FAAP, Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, Insper, Jornalistas & Cia., Knight Center for Journalism in the Americas, Meio, Oboré Projetos Especiais, Ogilvy, Portal Imprensa, Revista piauí, Textual e Unesco. Desde sua 5ª edição, a cobertura oficial é realizada por estudantes do Repórter do Futuro, orientados por profissionais coordenadores do Projeto e diretores da Abraji.

Nenhum comentário:

Postar um comentário