29/06/2018

Critério e planejamento são elementos importantes para gerenciar produtos no jornalismo

Profissionais discutem estratégias e desafios do desenvolvimento de produtos

Por Natália Mota

Juam Torres(Jornal Correio), Daniel Tozzi(UOL) e Patricia Gomes(JOTA) comandaram a mesa l Foto: Alice Vergueiro
Administrar projetos jornalísticos exige conhecimento sobre o próprio conteúdo e trabalho em equipe. Um processo que envolve muito planejamento e estratégia, principalmente quando se trabalha com um determinado público. Para Juam Torres, do jornal Correio, e Patricia Gomes, do site jurídico JOTA, outro desafio é saber filtrar ideias e decisões durante a gestão de um projeto.
Essa discussão foi o tema da mesa “Serviço público: a gerência de produtos no jornalismo”, no segundo dia do 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo.

No caso do JOTA, Gomes diz que é preciso ter em mente o perfil de quem consome as informações. Ela cita um caso do próprio JOTA. Após excluir do site a função de imprimir, a equipe do veículo se surpreendeu com a repercussão negativa.

“Uma boa porcentagem da minha audiência vem de pessoas acima de 60 anos, por exemplo. Eles imprimem o que a gente escreve. Se eu não pensar em produtos feitos diretamente para eles eu estou ferrada.”

Para atrair mais leitores, Torres defende que os gestores dos serviços devem utilizar com cuidado as diversas ferramentas digitais disponíveis. “Ao embarcar nessa lógica de querer testar tudo, e ir aonde o leitor está, podemos estar mergulhando em uma lei da selva”, afirma.

Daniel Tozzi, editor do portal UOL, também participou da conversa. Ele acrescentou que a diversidade de habilidades da equipe tem um papel relevante. “Para você fazer diferente você tem que trabalhar de um jeito diferente", disse. "Em um primeiro momento, os jornalistas não gostavam de outras pessoas participando da reunião de pauta. Mas logo viram que [a diversidade de profissionais] é um ganho. E se inspiraram a pensar outros conceitos."

O 13º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo é uma realização da Abraji e da Universidade Anhembi Morumbi com o patrocínio de Google News Lab, Grupo Globo, Facebook Journalism Project, McDonald's, Estadão, Folha de S.Paulo, Gol, Itaú, Nexo jornal, Twitter e UOL, e apoio da ABERT, ANJ, ANER, Comunique-se, BuzzFeed, Consulado dos Estados Unidos, ETCO, FAAP, Fórum de Direito de Acesso a Informações Públicas, Revista Piauí, Jornalistas & Cia., Knight Center for Journalism in the Americas, OBORÉ Projetos Especiais, Portal Imprensa, Textual e UNESCO. Desde sua 5ª edição, a cobertura oficial é realizada por estudantes do Repórter do Futuro, orientados por profissionais coordenadores do Projeto e diretores da Abraji.

Nenhum comentário:

Postar um comentário