11/09/2020

Credibilidade jornalística em tempos de desinformação

“The Trust Project” resgata a confiança dos leitores e a credibilidade do jornalismo em veículos de comunicação

Por: Carina Gonçalves e Lala Silva


A construção de credibilidade jornalística nasce da confiança do público com o veículo de comunicação: é nisso que o "The Trust Project" acredita. Tendo como valores a ética, diversidade e imparcialidade, veículos brasileiros como a Agência Lupa, Agência Mural de Jornalismo das Periferias, Jornal Nexo, O Povo e Poder 360, aderiram à iniciativa, que coloca luz em princípios essenciais para um jornalismo sério e de qualidade, principalmente em meio a uma pandemia.

Este foi o tema da palestra "Construindo credibilidade nas organizações midiáticas pós- covid-19: os desafios de implantar os certificados de verificação de qualidade", com mediação do editor do Estadão, Daniel Bramatti, e participação da fundadora e diretora do The Trust Project, Sally Lehrman, e o co-fundador e correspondente de Osasco da Agência Mural de Jornalismo das Periferias, Paulo Talarico.

De acordo com a pesquisa da Edelman Trust Barometer 2020, de janeiro a maio deste ano, subiu de 62 para 69% a confiança do público nas buscas em veículos tradicionais. Este foi o período que marca a pandemia da Covid-19. "O jornalismo pode ter esse papel do farol, levando informações e iluminando para que o público consiga entender a tecnologia e encontrar as informações confiáveis e de qualidade”, comenta Lehrman, do The Trust Project. Este projeto é um consórcio criado com um conjunto de padrões digitais chamados "indicadores de confiança", que ajudam o público e as plataformas de distribuição de notícias, a identificarem facilmente sites de notícias confiáveis. Ele está presente em 14 países, 629 milhões de usuários no mundo e mais de 200 sites parceiros.

Para Talarico, a Agência Mural fazer parte dessa iniciativa foi crucial para mudar algumas percepções da sociedade sobre a importância de se produzir reportagens a partir da vivência e olhar de quem está inserido naquela realidade. “As periferias sempre tiveram voz, a questão é que ela não chegava”, conta o co-fundador.

A partir da visão da iniciativa, a Mural criou 10 Princípios da Cobertura Jornalística das Periferias para profissionais de comunicação, com recomendações para uma cobertura mais conectada à realidade das periferias, sem cair no caráter assistencialista. "Só porque é uma região pobre a gente chama de carente, mas carente do que ela é? De serviço público?", indaga Talarico.

Após 10 anos do portal, Talarico reforça ainda a presença de estereótipos de pessoas que vivem nas periferias, com repercussão negativa em reportagens, bem como o sensacionalismo televisivo.

Lehrman pondera sobre a importância de pensarmos nas duas faces da construção da credibilidade com os leitores. “Quando falamos de confiança estamos construindo e a desconstruindo”, afirma a jornalista Sally Lehrman.

Essa construção contribui, inclusive, para combater as fake news da internet, mostrando para a sociedade, veículos que garantem informações confiáveis, mas há desafios, como aponta Talarico. "Acho que tem alguns pontos para avançar e fazer o leitor entender essa credibilidade. Quando chegamos no grande público, tudo se mistura, que é espalhar fake news por WhatsApp e notícias por redes sociais. Tudo isso ainda é muito difícil para a gente entender como reforçar essa imagem", afirma. 
 
Direção de arte: Isabella Vieira e Mikael Schumacher
Criação de Arte: Mikael Schumacher
Ilustração: Mikael Schumacher

A cobertura oficial do 15º Congresso Internacional de Jornalismo Investigativo é realizada por estudantes, recém-formados e jornalistas integrantes da Redação Laboratorial do Repórter do Futuro, da OBORÉ, sob coordenação do Conselho de Orientação Profissional e do núcleo coordenador do Projeto. Conta com o apoio institucional da Abraji, do Instituto de Pesquisa, Formação e Difusão em Políticas Públicas e Sociais (IPFD) e da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em cooperação com a Oficina de Montevideo/Oficina Regional de Ciências para a América Latina e Caribe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário